Comunidade Evangélica Rocha Viva

Abigail

 

 

Li um texto onde o autor falava do encontro entre Abigail e Davi. Fiquei impactada com uma frase do texto onde ele dizia: “Encontrar com Abigail foi reencontrar com a beleza de Deus”. E quero compartilhar com vocês uma ministração que fiz num encontro de mulheres a partir desse texto.

 

Boa Leitura!

I Sm. 25 2-13 - 18,23,24

Quem era Nabal era um homem rústico que tinha posses e estava dando uma festa de tosa das ovelhas.

Davi estava na sua peregrinação de fuga de Saul e liderava um bando de homens que ofereciam proteção em troca de alimento. Ele manda um mensageiro até Nabal para pedir alimentos, mas Nabal nega. Davi então se enfurece e quer ir até Nabal e mata-lo.

I – Por que Davi teve aquela reação violenta?

· Ele estava vivendo uma situação muito diferente do que aquela promessa de Deus por Samuel -  ser Rei

· Ele estava fugindo como um criminoso de Saul

· Talvez tenha se esquecido de quem ele era e qual o seu chamado

Situação da vida nos endurece o coração

Fazem-nos esquecer das promessas e do chamado de Deus

Não vemos mais beleza nas coisas, pois tudo fica sombrio.

A alegria e entusiasmo dá lugar a desesperança e ao pessimismo.

II – O encontro com Abigail vs.25-32

- Em outras palavras Abigail estava dizendo : “Por favor não faça isso. Essa não é uma atitude digna de um rei de Israel. Lembre-se quem você é. Lembre-se a unção de Deus sobre você. Não perca tempo em lutas vãs, sua missão é lutar nas batalhas do Senhor”.

- Abigail na verdade estava dando um testemunho da obra de Deus na vida de Davi.

Ele não havia sido chamado para exercer vingança – ninguém tinha culpa pelo deserto que ele estava passando. Isso era algo do próprio Deus na vida dele.

 

III – Por isso Encontrar com Abigail foi reencontrar com a beleza de Deus. Vs.32 - 35

Davi estava furioso contra Nabal – o tolo, queria mata-lo - vingança

Mas foi impedido não pela pessoa e pela força de Abigail, mas pelo que era representava naquele instante -  a beleza de um Deus que cuida mesmo quando estamos no deserto.

Davi cai em si!!

 

É mais um texto em que Deus não aparece – pelo menos não como ator. E, no entanto, mostra-nos mais uma faceta da espiritualidade feminina face á violência.

Abigail, que enfrentou a violência bruta dos homens que a rodeavam não com outra violência, mas com inteligência. Inteligência (e não apenas esperteza), porque entendia uma coisa  fundamental: que a vida vale infinitamente mais do que toda e qualquer posse.

Face à violência, ela não reage de forma ingênua - como o seu esposo -; também não reage simplesmente com outra violência. A sua “estratégia” não tem como primeiro objetivo afirmar-se, acabar com os maus, vingar-se, etc., mas pretende, pura e simplesmente, proteger a vida de todos. Inclusive a de David. E proteger todos de sujarem as suas mãos com sangue...

É por isso mesmo que julgo que esta mulher não pode faltar num estudo bíblico sobre a espiritualidade feminina face à violência.

Precisamente porque ao longo da história e também hoje, há quem nos queira convencer de que a maneira mais inteligente, a maneira mais lógica, a única maneira de reagir face à violência, ponto final, é aquela representada pelo Sr. Nabal Louco ... Enquanto a Bíblia nos desafia com o elogio da inteligência da sua mulher Abigail!!!

Deixemos desafiar-nos!

A Bíblia nos diz que “... passados quase dez dias, feriu o Senhor a Nabal, e este morreu” (1Sa 25:38).

Com a morte de Nabal, Abigail começou uma nova vida. O Senhor pôs um ponto final nos problemas que perturbavam o seu dia-a-dia.

Quando Davi soube da morte do homem que o afrontou, mandou chamá-la para ser sua esposa. Que alegria! Sua vida, agora, iria mudar! Ela seria a esposa daquele que ela livrara de cometer um crime, daquele que era o amado do Senhor, daquele que era segundo o coração de Deus. Ela ia ser esposa de Davi.

Ela, com um coração alegre e submisso, seguiu os mensageiros de Davi que a recebeu por mulher.

O plano de Deus para a vida de Abigail tornou-se realidade. Ela não mais estava casada com um homem ímpio, tolo e beberrão, mas Deus a presenteou...

1- com um marido que ouvia e obedecia a voz de Deus de todo o seu coração;

2- com um filho (o segundo de Davi) cujo nome, Quileade, significava “Deus é meu juiz” (2Sm 3:3).

 

Fonte: Inspirado no livro “Transpondo as Muralhas” de Eugene H. Peterson

Que a paz de Jesus Cristo esteja com todos nós!

Pra. Simone Cabral

 

 
| Home Teologia Abigail